domingo, 30 de agosto de 2009

TRILHA ECOLÓGICA PARTICIPATIVA

Ocorreu neste sábado,29-08,partindo da Fazenda Mergulho,no distrito de Ipuaçú. Participou da
trilha;colégios,departamento de educação ambiental da secretaria municipal de meio ambiente,
entidades ambientalistas;Movimento Água é Vida;SOS Paraguaçú;Fundação Ecológica Burití e
Associação Protetora dos Animais(APA)fazendeiros locais,associação dos pescadores,que está
promovendo a festa dos pescadores da região.O percurso foi intenso,passamos pelo Riacho do
Bueiro,por conta do desmatamento se encontra totalmente seco,alguma mata nativa encontra-se
preservada,mais nas margens do rio jacuipe represado pelo lago pedra do cavalo;não existe em
toda sua extensão matas ,não sendo respeitado os limites legais de distancia do rio.Até quando
nós vamos assistir estes cáus ecológicos? o rio jacuipe é uma poluição generalizada,apresar da
exuberância e a beleza ,as suas águas está comprometida reflexo dos esgotos urbano de toda
região oeste e da parte central da cidade de Feira de Santana;canais esgotos a céu aberto riachos
todos contribuindo para a degradação do rio jacuipe,afetando o rio paraguaçú,que nos abastece
da água que bebemos.Ouvimos depoimentos de moradores,pescadores locais que sobrevivem
da pesca prejudicada com a poluição do rio,piorando a qualidade de vida da população.

sábado, 29 de agosto de 2009

Articulação defende um Projeto Popular de Revitalização do São Francisco

Nesta sexta-feira 28 de agosto de 2009, mais de 100 delegados representando 43 organizações e movimentos sociais de toda a Bacia do São Francisco encerraram, no dia 23 de agosto, a participação no II Encontro Popular do Rio São Francisco, mantendo como prioridade de ações para os próximos dois anos da Articulação Popular pela Revitalização do São Francisco, a defesa de um projeto Popular de Revitalização do “Velho Chico”. A proposta surgiu em meio às constatações de que os grandes empreendimentos econômicos que degradam o rio têm avançado e que o programa de revitalização proposto pelo governo pouco fez para a real recuperação do São Francisco.
Na “Carta de Carnaíba”, documento final do evento, a Articulação denuncia o avanço de atividades degradantes em toda a Bacia, muitas delas incentivadas pelo PAC (Projeto de Aceleração do Crescimento). O cenário aponta como condição necessária para a revitalização, a prevenção de novos danos à bacia. Por essa razão, também está sendo priorizado o enfrentamento aos grandes projetos de mineração, agrohidronegócio, barragens (energia) e o fortalecimento da luta contra a Transposição.
No Projeto Popular de Revitalização proposto pela Articulação Popular do São Francisco, uma das alternativas apontadas para reverter esse estado atual de degradação é a garantia e o incentivo a demarcação, titulação e desintrusão das terras e territórios das comunidades tradicionais. Como as populações indígenas; os quilombolas, os pescadores e as comunidades de Fundos e feichos de pastos, que preservam um modo de vida de pouco impacto ao ambiente natural da bacia e com os quais ainda pode-se aprender muito quanto à preservação dos rios.
“Um projeto construído a partir das populações que vivem ao longo do rio, envolvendo os grupos e as comunidades, será em prol da vida. Ao contrário dos projetos do governo que estão contaminados por interesses econômicos”, analisa Maria Tereza Corujo, do Movimento pelas Serras e Águas de Minas, uma das participantes da Articulação.
Denúncias recentes feitas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) confirmam a sua fala. O TCU determinou que o Ministério da Integração Nacional suspendesse a contratação de empresas para execução e acompanhamento de programas ambientais relacionados à transposição do Rio São Francisco, devido aos indícios de sobrepreço nos valores orçados relativos à mão de obra, passagens e aluguel de veículos, manutenção e combustível. O TCU encontrou sobrepreço de 64,03% no aluguel de veículo leve e de até 90,74% no valor das passagens aéreas.
Além das denúncias do TCU, o programa de Revitalização do governo também é alvo de críticas do presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), Thomaz Matta Machado. Na sua opinião, não existe um programa, mas apenas ações isoladas de esgotamento sanitário. “Existe muito dinheiro orçado para a Revitalização, mas sem a implementação real desses gastos”. Machado aponta também uma outra contradição no projeto proposto pelo governo. “A revitalização tem que trabalhar a questão da diminuição da vazão e não apenas a questão da qualidade da água. Na prática, as ações em execução priorizam o saneamento ambiental. A quantidade de água na bacia e no Rio São Francisco não está sendo considerada”.
A preocupação de Thomaz Machado é pertinente. Em estudo publicado pela Journal of Climate, da Sociedade Metereológica Americana, o fluxo de água do rio São Francisco caiu 35% no último meio século. “O programa de revitalização tem que vir da sociedade”, defende.
Idéia compartilhada pelos participantes do encontro na Carta de Carnaíba: “O cerne da nossa luta é o Projeto Popular para o São Francisco – Terra e Água, Rio e Povo”
fonte: CPT

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

BRASIL CONTINUA DESTRUINDO FLORESTAS

O Brasil é o 4* maior poluidor do clima no mundo.atrás apenas dos EUA(1*)da china (2*) e da
Rússia(3*) As queimadas são a principal causa da poluição atmosférica nas cidades brasileiras.
O mundo ficará 3*mais quente até 2100.101 mil focos de queimadas foram detectados em
2007,na Amazónia.A temperatura média no Brasil,pode aumentar ainda neste século de 25*c 16.928 espécies estão ameaçados de extinção no mundo:Desse total;um terço são anfíbios,um em cada oito pássaros e quase um quarto de todos os mamíferos.O Brasil é o pais com maior número de espécies de pássaros ameaçados de extinção.O desmatamento configura problema ambiental grave em 45% das cidades brasileiras.As queimadas são a principal causa da poluição atmosférica nas cidades brasileira.A cada 18 segundos,1 hectare da floresta amazónica é convertido em pasto.A pecuária é responsável por 80% de todo o desmatamento da Amazónia. No pais,o processo de desertificação abrange 82% dos estados do nordeste.(fontes revista Galileu) .
Neste dia 29-08 estaremos em mais uma missão de carater Educacional ecológica juntos aos
Guardiões do meio Ambiente;vamos fazer uma caminhada as margem do Rio Jacuipe tentando
despoluir por onde passarmos. Na próxima edição reportaremos a caminhada ecológica.

Mobilização mundial cobra ações para combater as causas das mudanças climáticas

Inicia amanhã, 29, a campanha “Tictactictac”, uma mobilização mundial para combater as causas das mudanças climáticas e amenizar seus efeitos. O nome faz alusão ao barulho de um relógio, lembrando a pressão do tempo sobre a reversão dos fatores que causam as mudanças climáticas.O movimento surgiu de várias ONGs como Greenpeace, WWF, Oxfam, Vitae Civilis, sindicatos, grupos religiosos e da sociedade civil. Juntos, eles vão trabalhar para concretização de propostas a serem apresentadas na COP-15, que acontece em dezembro, em Copenhague, na Dinamarca.Uma das ações da campanha é um convite à população a participar de um abaixo assinado, que pode ser acessado no endereço: www.tictactictac.org.br. O movimento espera que a mobilização sensibilize os representantes das nações que estarão reunidos na Dinamarca de 7 a 18 de dezembro, para que tomem decisões acertadas.A informação é outra sugestão da campanha que orienta os interessados a conhecer mais sobre o tema.Segundo a organização do evento, várias atividades estão programadas para este sábado nas capitais do Brasil, como inauguração de relógio para contagem, barulhaço no local do evento com apitos, cornetas, buzinas, relógios, panelas, etc, distribuição de material da campanha, teatro de bonecos, exibição de filmes, pintura de painéis sobre o clima e oficinas temáticas, caminhada ecológica, além de outras atividades.
Fonte: Ambientebrasil

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Associação cobra definição de atribuições na área ambiental

Descentralização das políticas ambientais foi defendida na quarta-feira (26) pelo presidente da Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anamma), Clarismino Pereira Jr. Esse será um dos temas em debate durante o 19º Encontro Nacional da Anamma, de 31 de agosto a 2 de setembro, no Rio de Janeiro.Desde a promulgação da Constituição de 1988, o Artigo 23, que estabelece o compartilhamento das competências entre os entes federados na questão ambiental, continua sem regulamentação, lembra Pereira. Um projeto de lei complementar tramita na Câmara Federal com o objetivo de regulamentar o artigo, mas ainda não houve avanços.A falta de regulamentação provoca constantes contestações do Ministério Público, entre outras instituições, sobre a competência dos órgãos públicos em relação a temas relevantes, como o processo de licenciamento ambiental, disse o presidente da Anamma.Pereira afirmou à Agência Brasil que a Resolução 237/1997 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) “não é a norma mais adequada para regulamentar esse compartilhamento de competências”. De acordo com ele, as posições sobre o artigo são conflitantes dentro do próprio governo, envolvendo os ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura.Ele defendeu que os espaços tripartites devem ser privilegiados. A visão da Anamma não é de fazer uma “gincana de competição” com os estados e a União na questão ambiental, esclareceu. “Queremos é desonerar os estados e a União para que tenham condições de fazer políticas gerais mais importantes."O presidente da Anamma disse que as prefeituras e os municípios devem ter órgãos ambientais competentes, com um quadro técnico capacitado e com recursos para compra de equipamentos. Outro desafio é a realização de concursos para efetivação de técnicos.Outra preocupação da Anamma, destacou Pereira, refere-se às questões do ambiente urbano. “Não podemos esquecer que 84% da população brasileira vivem em cidades”. Problemas como poluição atmosférica, visual e sonora e apropriação de áreas sensíveis exigem combate mais eficaz pelos municípios, salientou. Por isso, defendeu, é necessário que os estados e a União sejam desonerados e concentrem esforços em grandes problemas.
Fonte: Ambientebrasil

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Proteção Dos Rios Urbanos

Um dos maiores desafios da sociedade civil,das Organizações Ambientalistas é,cuidar preservar
as bacias nascentes córregos lagoas e Rios urbanos. O que fazer? Denunciar,quando se percebe
essas dregadações,através o Ministério público Ambiental do seu municipio,o cumprimento das
Leis Ambientais;para evitar que rios córregos nascentes lagoas,sejam cobertos poluidos pelo o

lixo,cobertos,tampados e aterrados; apenas por interesses comerciais e imobiliários em prejuizo

da vida saudavel. O Instituto de Gestão das Águas e Clima (INGÀ),promoveu nesse dia 25-08
o Seminário,ocorrido no seu auditório em Salvador,com grande presença de público,ocupando
todos espaços do auditório principal e do anexo. O Dr. Julio Rocha diretor geral do (INGÀ) fez
bertura do evento,resaltando a grande preocupação do governo do estado da Bahia nas questões
das águas. Em seguida o professor Lafaiete da Luz da UFBA;destacou,as nascentes naturais
bacias urbanas e rurais.A D.ra Mirian mousinho,representante do governo de Minas Gerais
mostrou a realidade na capital de BH,que tem na sua zona urbana o rio das Velas,as agressões
degragações e poluições,que estão em execurção projetos,participativos de recuperação e de
preservação. Dr. Julio Tadeu,falou representando o Ministério do Meio Ambiente. O represen-
tante do governo do Paraná,falou das ações de preservação do ambiente urbano e o rio Iguaçú
a capital tem 96% de cobertura de esgoto sanitário;sendo 56% tratado. Professor Morais da
UFBA,fez um RX hidrográfico da cidade de Salvador,apontando a gravidade,que ele chamou
de sepultamento dos rios existentes. A promotora de Meio Ambiente,D.ra Cristina,chamou
atenção,da sociedade civil para não fugir da luta em defesa da natureza;fazendo e exigindo das
autoridades a cumprirem as leis,que existem para ser cumprida.
O Movimento Àgua é Vida, foi representado por Vivaldo França e Tiago. Conosco Carlos
Romero da SOS Paraguaçú e Cosme Castor Cerqueira,da Sala Verde e a companheira Thaise
Pinto.

Empresários esperam que ambiente seja debatido em campanha presidencial

Em dezembro, os olhos do mundo estarão voltados para Copenhague, onde as lideranças mundiais tentarão estabelecer um novo acordo climático. Na tentativa de reverter o caminho do aquecimento global, a redução na emissão de gases-estufa e a criação de formas de incentivo ao empresariado para conversão a uma economia de baixo carbono estarão entre os principais assuntos. Nesta terça (25), essas e outras questões foram debatidas em São Paulo no Fórum Valor Globo News “Brasil e as Mudanças Climáticas”. O G1 acompanhou o debate, que contou com a presença da ex-ministra, senadora e possível candidata a presidente Marina Silva.Para os representantes do setor produtivo, as questões ambientais devem estar presentes na próxima campanha eleitoral. No entanto, destacam que políticas públicas que orientem o setor e atitudes de preservação do meio ambiente demandam mobilização pública. "O tema será desenvolvido na medida em que houver eco na sociedade", disse Wilson Ferreira Jr., diretor presidente da CPFL Energia.Expectativa - Durante o debate, os empresários avaliaram suas expectativas sobre a reunião de Copenhague. "Esperamos que o Brasil adote o conceito de permanência para suas florestas nativas", afirmou Antonio Maciel Neto, diretor presidente da Suzano, empresa do setor de celulose.De acordo com Adalberto Veríssimo, pesquisador do Imazon e membro do Fórum Amazônia Sustentável, antes de tudo o país precisa atualizar seu conhecimento sobre o nível de emissões. "O Brasil precisa fazer um relatório atualizado de suas emissões. Estamos muito atrasados", disse.O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, afirmou que o relatório com dados referentes até 2002 estará pronto antes da reunião de Copenhague. "As grandes fontes de emissão são fáceis de ser identificadas, mas a emissão tem diversas fontes", explicou.Para Veríssimo, a falta de marcos regulatórios na região amazônica acaba por afastar investimentos sustentáveis nos estados da região. "A Amazônia precisa de um choque de economia, da nova economia", afirmou. Resistência interna - A meta brasileira de 70% de redução do desmatamento na região amazônica, segundo o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, é um objetivo ousado que credencia o país a cobrar metas avançadas dos países desenvolvidos. "O Brasil tem tudo para ser protagonista nas questões de redução de emissões e quanto mais protagonismo você tem, mais pode cobrar", disse.No entanto, Minc lembrou que a redução das emissões de carbono enfrentou resistência da sociedade e de setores do próprio governo. "Varios setores do governo resistiam aos planos de redução. Achavam que estávamos numa fase de desenvolvimento que engessava o estabelecimento de metas", disse. "Quando se fala que a sociedade quer 100% de redução de desmatamento não é bem assim. Existem resistências, há pressão de governadores e senadores da Amazônia."Na avaliação de Marina Silva, antecessora de Minc no ministério, "o governo está indo com uma posição bastante genérica (para o encontro de Copenhague) e precisa fazer rapidamente esse debate". Ela acrescentou que deve se filiar ao Partido Verde (PV) neste domingo.
Fonte: Ambientebrasil

Especialistas debatem pagamento para produção de água, em seminário internacional

Cerca de 300 especialistas brasileiros e estrangeiros se reúnem em Brasília, nesta quarta e quinta-feira (26 e 27), para debater o pagamento para produção de água.Participam da abertura, a partir das 10 horas, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc e o diretor-presidente da ANA, José Machado. Segundo a programação do evento, no final da manhã o economista ambiental sênior do Banco Mundial, Gunars Platais, profere palestra sobre como a estratégia de oferecer pagamento para estimular a preservação dos recursos naturais tem sido adotada em vários países.Serão discutidas ações sobre o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e do Programa Produtor de Água, desenvolvido pela agência Nacional de Águas (ANA). O programa tem como função a redução do assoreamento e erosão de mananciais, melhorando a qualidade da água. Será oferecido apoio para execução de projetos de conservação da água e do solo. Quem contribuir com a proteção e recuperação de mananciais poderá receber incentivos financeiros.Ainda durante o encontro será lançada a página eletrônica do programa. Com informações da ANA
Fonte: AmbienteBrasil

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Lula: renda do pré-sal vai para educação, C & T e combate à pobreza

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a informar que o marco regulatório do pré-sal será anunciado na próxima segunda-feira, dia 31 de agosto. Segundo ele, 29% dos blocos do pré-sal já foram leiloados e, dos 71% restantes, a parte que couber ao governo será destinada a um fundo financiador da educação, da ciência e tecnologia e do combate à pobreza. Lula fez as afirmações ao discursar na cerimônia de lançamento da pedra, fundamental da Universidade Federal do Grande ABC, em São Bernardo do Campo. Depois da cerimônia Lula participa de um encontro com líderes sindicais, empresariais e sociais das sete prefeituras do ABC.

Fonte: Agência Brasil

Brasil assumirá metas de controle do efeito estufa, diz Minc

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, anunciou que o Brasil vai assumir metas de redução das emissões de C02 durante a reunião da cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudanças Climáticas, em Copenhague (Dinamarca), em dezembro. “Está definido que haverá (metas).Isso é mais um avanço das discussões que estão tendo nossas equipes técnicas e vamos chegar a um número. O Brasil terá metas, mas naturalmente cobrará recursos, parcerias tecnológicas”, afirmou Minc, depois de palestra na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, na Urca, zona sul do Rio.As metas ainda serão definidas pelas equipes técnicas do chamado G-3, que inclui os ministérios do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e Itamaraty. “Primeiro foi uma queda de braço para a gente fazer um plano com metas voluntárias e internas, porque antes não tinha nem isso. Depois criamos o G-3 e estamos avançando mais. O Brasil já aceitou o parâmetro de não mais de 2 graus de elevação (da temperatura) até o final do século e não mais do que 450 ppms (partes por milhão) de CO2 na atmosfera”, disse.Para Minc, o Brasil está “lentamente avançando” não somente na modificação da posição de ter meta, mas também do tema em si. Os países ricos têm pressionado os emergentes a se comprometer com as metas internacionais para reduzir as emissões de gases que causam o efeito estufa.O ministro anunciou ainda que esta semana será apresentado um inventário das emissões de CO2 nos setores de energia, indústria e transportes de 1994 para 2007. Segundo o ministro, houve aumento nessas áreas, mas, por outro lado, este ano será registrado o menor desmatamento dos últimos 20 anos. Os resultados serão usados para embasar as políticas específicas para as áreas. “Antes da reunião de Copenhague teremos um apanhado mais atualizado que vai incluir ainda o setor florestal e agrícola, que são também muito responsáveis pela emissão dos gases causadores do efeito estufa”.Nesta terça-feira (25) Minc e o ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, recebem, em São Paulo, documento de empresas de grande porte com seus compromissos em prol da redução de emissões de gases de efeito estufa.
Fonte: Talita Figueiredo/ Estadão Online

Fundo Nacional do Meio Ambiente lança novo modelo de incentivo a projetos

Para 2009, serão contemplados os temas educação ambiental e recuperação de áreas degradadas
O Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA) lançou no último dia 21 de agosto o novo modelo de Demanda Espontânea para fomento de projetos a serem realizados em todo o País. As propostas devem ser enviadas por correio ou entregues no protocolo do FNMA, de 1º de outubro a 30 de novembro, das 8h às 18h. A partir deste ano, todos os projetos concorrentes também devem ser inseridos obrigatoriamente, no mesmo período, no Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (Siconv).
Os projetos devem ser elaborados para a execução no prazo de um ano. Em 2009, os temas selecionados para Demanda Espontânea são educação ambiental e recuperação de áreas degradadas. Os projetos devem apresentar um valor mínimo de R$ 200 mil e máximo de R$ 300 mil. O teto orçamentário estabelecido para atendimento dos projetos é de R$ 3 milhões, a ser repassado em 2010 .
Além do Siconv (http://www.convenios.gov.br/), as propostas que serão enviadas pelo correio devem ser elaboradas no FaçaProjetos, um programa de apresentação de projetos que pode ser acessado pelo site do MMA na página do FNMA. Se o projeto for aprovado, a expectativa é de que o proponente possa receber o recurso em parcela única, no ato da liberação do orçamento, já no semestre seguinte.
Os projetos que excederem o teto orçamentário programado para 2010 serão devolvidos. Se o tema da proposta for compatível com as temáticas do ano seguinte, o mesmo projeto poderá ser reapresentado, desde que efetuadas as devidas adequações. Para 2010, serão discutidos os temas da demanda espontânea na primeira reunião do Conselho, que deve acontecer entre março e abril do ano que vem.
As novas regras e orientações para apresentação de projetos serão publicadas na página eletrônica do FNMA www.mma.gov.br/fnma.
Nova gestão
No ano em que completa 20 anos de existência, o Fundo foi reestruturado para operar com um novo modelo de gestão. Após a última reunião do Conselho Deliberativo do FNMA, realizada em 30 de julho, foram estabelecidas novas diretrizes, como a definição anual dos temas para a Demanda Espontânea pelo Conselho Deliberativo do Fundo, a previsão de reserva orçamentária anual para garantir o pagamento dos projetos aprovados e o lançamento de editais para o apoio a projetos de maior valor financeiro e com escala territorial de abrangência regional.
Para a viabilidade da nova estratégia que garantirá maior celeridade no desembolso e qualificação do apoio técnico/financeiro aos parceiros, ficou estabelecido que o conjunto de projetos que integravam o passivo do FNMA desde de 2003 serão devolvidos aos proponentes. Esses projetos poderão ser reenviados, já em 2009, por meio da demanda espontânea desde que atendam as linhas temáticas estabelecidas e tenham sua estrutura orçamentária atualizada.
O FNMA atua por meio de demandas espontânea e induzida. No primeiro caso, os temas escolhidos pelo fundo em um determinado ano são apresentados à sociedade. Os projetos inscritos nesta categoria devem ter um caráter inovador e a possibilidade de serem reproduzidos em outras experiências.
Já na demanda induzida, o tema dos projetos é definido de acordo com as necessidades da política nacional do meio ambiente. O FNMA elabora uma proposta que deve ser aprovada pelo Conselho Deliberativo, e em seguida é lançado um edital ou termo de referência. Neste ano, por exemplo, o tema é direcionado à gestão ambiental local nos municípios do arco do desmatamento. O Fundo já está em fase de negociações com os governos estaduais, municipais e sociedade civil para executar este instrumento, que deve ser conveniado ainda este ano e terá recursos repassados já em 2009.
O FNMA pretende também lançar ainda este ano um instrumento convocatório para promover a gestão de resíduos sólidos nos estados, que deve ser conveniado apenas em 2010.
Para Fabrício Barreto, diretor do FNMA, os temas das demandas apresentadas em 2009 dialogam com o novo modelo a ser implementado. "Não estamos procurando soluções isoladas, queremos apoiar, principalmente, ações estruturantes que subsidiem a implementação de instrumentos de gestão, de forma a priorizar alternativas regionais", afirma Barreto.
Ele explica que os recursos operados por meio da demanda induzida devem ser aplicados numa escala territorial que possibilite potencializar as ações da Política Nacional de Meio Ambiente fomentadas, bem como avaliar de forma qualificada os impactos auferidos ao território. Esse esforço considera a necessidade de evitar a pulverização de recursos pelo país, com vistas à melhoria da efetividade dos resultados esperados. De acordo com Barreto, desta forma será possível valorizar propostas construídas a partir de concertações regionais envolvendo vários atores.
Histórico
O FNMA é um fundo contábil sujeito às regras orçamentárias estabelecidas pelo governo. Considerado um potente instrumento de fomento da política nacional do meio ambiente, foi fundado em 1989 e já beneficiou mais de 1400 projetos, distribuídos em todos os biomas do território nacional, com recursos estimados em cerca de R$ 230 milhões.
O fundo já operou por meio de empréstimos e doações, mas hoje os recursos são provenientes exclusivamente do Tesouro Nacional. Os projetos aprovados foram implementados nas mais diversas áreas: agenda 21, educação ambiental, recuperação de áreas degradadas, recursos pesqueiros, resíduos sólidos, produtos químicos e espécies ameaçadas de extinção, unidades de conservação dentre outras.
fonte: ASCOM

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Ter Deus dentro de si é viver com entusiasmo

Quando a gente reclama muito, se habitua a reclamar cada vez mais,e acaba se transformando
numa pessoa azeda e insuportável. Conviver com pessoas que só vive reclamando... É dose!
Seja Alguém Disposto a Colaborar Com os Outros
Descubra o entusiasmo na sua vida! Seja capaz de transformar as coisas, e fazê-las acontecer.
Não espere as condições ideais, faça o Entusiasmo ocorrer pela crença de que você é capaz de
realizações eficazes e de vencer obstáculos!!!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Reunião de Planejamento do MAV

Nesta quinta estaremos nos reunindo na sede do MAV para realizar o Planejamento Financeiro Trianual, estando presente a diretoria e participantes que estão na luta conosco.

SEMINÁRIO: NOVO RUMO A NOSSA ÁGUAS

Na manhã desta quarta-feira (19), o seminário “Novo Rumo às Nossas Águas”, no Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA), em Feira de Santana. O evento avaliou os resultados dos investimentos em saneamento básico e em tratamento de esgoto para melhorar a qualidade das águas das bacias dos rios Subaé, Jacuípe e Paraguaçu e a vida da população. O encontro também discutiu os novos rumos da luta pela preservação dos recursos hídricos.
Compareceram ao encontro o presidente da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), Abelardo de Oliveira; o representante da Companhia de Engenharia Ambiental da Bahia (Cerb), Alfredo Pinto; o representante da Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), Ari da Mata; e o diretor do Instituto de Gestão de Águas e Clima (Ingá), Julio Rocha.

Zé Neto abriu o evento falando sobre a importância de incentivar a reflexões sobre a importância da preservação dos recursos hídricos. “Foi através de seminários como esse que se tornou possível trazer o PAC para a Bahia com investimentos de R$ 97 milhões dos governos federal e estadual.
Abelardo garantiu que as obras de esgotamento sanitário na Bahia serão concluídas até setembro de 2010.
Julio Rocha: “Temos um processo de regulação das águas através de medidores de vazão que permitem controlar a utilização da água por indústrias ou agricultores e evitar a escassez hídrica”, garantiu.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

1ª Conferência Municipal de Saúde Ambiental

Sob o decreto de nº 7.801, de 17 de agosto de 2009, fica convocada a 1ª Conferência Muncipal de Saúde Ambiental (CMSA) do municipio de Feira de Santana sera realizada até o dia 31 de agosto do corrente ano, com o tema "A Saúde Ambiental na cidade, no Campo: construindo cidadania, qualidade de vida e territórios sustentaveis".
Não entendemos porque deverá ocorrer até o dia 31/08/09, e porque ainda não foi definido a data?, e quais os critérios para a inscrição de delegado? e qual o local que acontecerá a conferência?

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O ato de fiscalizar é para tod@s que são e fazem o papel de cidadão/ã

Boa Tarde a tod@s!
Estou indignada com o pouco caso não só que os governantes fazem a respeito do Meio Ambiente, mas tambem com as pessoas que se dizem cidadãs e que cobram tanto do poder público, sabemos que quem tem o poder nas mãos tem mais possibilidade e a obrigação de melhorar os municipios e o país, mas nós ainda fazemos poucas ações para melhorar esse mundo. É impugnante no século XXI ver pessoas jogando lixos na rua e ainda cobrarem do governo melhoria. Saber que muitos cortam as poucas árvores de suas calçadas para proteger os cimentos urbanos. O mundo a cada dia nos pede socorro e muitos ainda fazem pouco caso, acreditam que hoje tudo é normal, até quando veremos às coisas assim? E você companheiro/a o que tem feito para melhorar? Acha que já é suficiente? Meus filhos precisaram de vocês e o mundo espera de nós!

domingo, 16 de agosto de 2009

Sonhei Com Minha Cidade:e Acordei Para Vida

Em verso vou lhe contar:Sobre o plano diretor:Ele é um documento,prá analfabeto e doutor:
Que vai melhorar a cidade:Se for feito com amor.
No plano se analisa:As lagoas e os rios;Alimpeza da cidade;Até os postea e os fios:
Pra melhorar nossa vida;È um grande desafio.
No plano se estabelece;As regras pra lotear;Pra melhorar as escolas;E também para calçar;
Para construir esgôtos...E a vida melhorar.
A natureza e o homem;Vão viver em harmonia;O homem fazendo casas;Para sua moradia
E a natureza lhe daando;Toda sua serventia!
Literatura de cordel...Autoria do professor, Maialvo Barreto

sábado, 15 de agosto de 2009

REFORÇANDO: VEREADORES DESPREZAM QUESTÕES AMBIENTAIS

É impressionante como os vereadores de Feira de Santana se preocupam com a saúde ambiental da cidade. Na audiência pública que discutiu o novo código ambiental do município apenas os representantes da Comissão do Meio Ambiente e mais dois edis estiveram presentes. Quem melhor definiu o caos ambiental que a cidade vive foi o experiente professor de filosofia Albertino Carneiro, que participou da sessão. “Feira antes era conhecida como Santana dos Olhos D’água, agora virou Santana de água nos olhos. Chorando sempre pela secura da cidade”, lamentou Albertino.


sexta-feira, 14 de agosto de 2009

AUDIÊNCIA PÚBLICA DEBATE O NOVO CÓDIGO AMBIENTAL DO MUNÍCIPIO

Ocorreu nesta sexta-feira 14 de Agosto de 2009, na casa da cidadania, á audiência pública com objetivo de debater, o projeto de Lei,001/2009, do novo Código Ambiental de Feira de Santana.
A sessão, foi presidida pelo presidente da comissão, o vereador Ângelo Almeida e conduzida
pelos vereadores, Marialvo Barreto e Frei Cal. As palestras foram proferidas pelos, Profº
Prudente Pereira de Almeida Neto (Vice-reitor da UFBA), Marcos Alves Pimentel
Gestor da Área de Proteção Ambiental do Lago de Pedra do Cavalo, Sílvio de Souza Santos
coordenador da unidade do INGÁ em FSA. O vereador Marialvo Barreto fez uma síntese dos
rios, lagoas e nascentes na cidade demonstrando preocupação com á falta de esgotos sanitário
na região norte da cidade transformando e Rio Pojuca no maior condutor de dejetos sanitário,
contaminando inclusive á praia do Forte,onde o Pojuca desagua no mar. O debate em forma de
pingue-pongue, um membro das entidades, e o vereador, ou um dos palestrantes. O vereador, José de Arimatéia da base do executivo, falou em defesa, dizendo que a situação ambiental em Feira vem de muitos anos, será melhor ,com um código novo, a situação ficará sobre controle.
As entidades representadas: Movimento Água é Vida; F.E.Burití; Movimento dos sem Tetos
do Bairro Aviário; Movimento dos Estudantes da UEFS e outros grupos. A nota que deixou todos
frustrados foi ausências dos vereadores, lá estiveram Profº Marialvo Barreto, Frei Cal, Angelo Almeida e José de Arimatéia: Roque Pereira. Por parte do governo municipal não houve nenhum representante.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

CÂMARA DOS VEREADORES DISCUTIRÁ CÓDIGO DO MEIO AMBIENTE

A Câmara de vereadores de Feira de Santana,estará reunida para discutir e votar a aprovação
do Código Municipal de Meio Ambiente, enviado pelo prefeito, Drº Tarcizio Pimenta.
O código enviado a câmara, deve está embasado, dentro dos procedimentos técnicos e teóricos.
O que a população deve entender é que o código de meio ambiente vai interferir na vida de todos
por isso não deve ser discutido e votado pela câmara sem a participação a as opiniões do popular.
A meu ver, deve-se criar o Parque Municipal em área que possuem ecossistema de
relevante valor ambiental, e qualidade cénica, parcial ou ampla de importância local e regional.
Área contendo vegetação de porte, e dotada de atributos naturais, e valores paisagísticos,com
funções ambientais,para permeabilidade dos solos,recarga de aquíferos,controle de erosões,
conforto climático e imagem ambiental do núcleo urbano e para o lazer e recreação da população.
Daqui vai o nosso pedido, vamos acompanhar o Código de Meio Ambiente. É seu dos seus filho e das gerações seguintes.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Prorrogado prazo de inscrição para a renovação dos Comitês de Bacias

O prazo de inscrição para a renovação dos membros dos Comitêis das Bacias Hidrográfica (CBH) do Recôncavo Norte e Inhambupe, Rio Paraguaçu e dos Rios Verde e Jacaré. Foram prorrogados para o dia 11 a 26 de agosto. O objetivo é ampliar a participação dos usuários da água, das prefeituras e da sociedade civil organizada na gestão das águas no Estado da Bahia. Os candidatos interessados podem se inscrever nas Unidades Regionais do INGÁ e nos escritórios da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA). Serão disponibilizadas 45 vagas, para o Comitê da Bacia do Recôncavo Norte e Inhambupe sendo 15 para o poder público, 15 para sociedade civil organizada e 15 para os usuários de águas, para os Comitêis das Bacias do Rio Paraguaçu e dos Rios Verde e Jacaré são 27 vagas para titulares, sendo 09 para o poder público, 09 para sociedade civil organizada e 09 para os usuários de águas. Para cada titular, é eleito também um suplente A inscrição só poderá ser feita presencialmente. Todo o cronograma do processo eleitoral e a relação de documentos podem ser consultados no site www.inga.ba.gov.br/comites

terça-feira, 11 de agosto de 2009

SECRETÁRIO FALA SOBRE POSTURA DO INGÁ

Há muito os órgãos estaduais ligados à pasta do Meio Ambiente vem sendo acusado de perseguição política à Prefeitura de Salvador. A posição do Instituto de Gestão das Águas e Clima (Ingá) em tentar embargar a obra do canal do Imbuí reacendeu essa discussão. Por conta disso, o secretário Walter Pinheiro fez questão de dizer que não há nenhuma orientação do governador Jaques Wagner para boicotar qualquer ação da administração João Henrique. “Houve, inclusive, uma reunião onde o governador deixou isso bem claro. Qualquer obra da Prefeitura será tratada com respeito à relação institucional com o governo. Quanto àquele canal, acredito que a obra deve continuar até porque se trata de um rio poluído e que necessita de intervenção”. Ainda nesse bloco do programa, Walter Pinheiro e Samuel Celestino relembraram de brincadeiras do tempo em que os dois eram crianças. Daniela Prata não resistiu e riu com as peraltices dos dois senhores.

Fonte: Bahia Notícias

O PARQUE DA LAGOA DE NOVO NAS MANCHETES

Uma das obras abandonadas por Zé Ronaldo, a Secom está anunciando mais uma vez o reinicio do Parque da Lagoa. Enquanto a empresa vencedora não coloca em ação máquinas e homens, vale apenas recordar como o ex deixou o conhecido "geladinho" entre Baraúnas e Galiléia, ou melhor, entre as estradas velha (José Tavares Carneiro) e nova (José Falcão da
Silva) a Feira Serrinha. Para saber da nova investida da Prefeitura numa obra simples mas que se arrasta desde o governo do ex. Leia

DEFENSIVOS ALTERNATIVOS E NATURAIS

As receitas apresentadas foram extraídas do livro: "Defensivos Alternativos e Naturais" do Eng. Agr. Silvio Roberto Penteado.

CINZAS

A cinza de madeira é um material rico em potássio, muito recomendado na literatura mundial para controle de pragas e até algumas doenças. Pode ser aplicado na mistura com outros produtos naturais.Para o combate a lagartas e vaquinhas dos melões.

LEITE

O leite na sua forma natural ou como soro de leite é indicado para controle de ácaros e ovos de diversas lagartas, atrativo para lesmas e no combate de várias doenças fúngicas e viróticas. O seu emprego é recomendado para hortas domésticas e comunitárias. A mistura de leite azedo com água e cinza de madeira, é citado como efetivo no controle de míldio.Há Indicações do uso do leite como atrativo para lesmas. Distribuir no chão, ao redor das plantas, estopa ou saco de amiagem molhado com água e um pouco de leite. De manhã, virar a estopa ou o saco utilizado e mate as lesmas que se reuniram embaixo.

PIRÚVICO, ÁCIDO

Conhecido também como ácido Pirolenhoso, é um produto da condensação da fumaça proveniente da queima da lenha, na produção do carvão vegetal. A partir dos anos 80 voltou a ser empregado pelos produtores com o objetivo de repelir pragas.
No Brasil, não são conhecidas pesquisas acerca dos seus efeitos sobre as plantas e o homem. Por conter elevadas taxas de alcatrão, recomendamos seu uso somente a partir de pesquisas que comprovem sua eficiência e que não afete a saúde humana.

AUDIÊNCIA PÚBLICA - SOBRE CÓDIGO MUNCIPAL DO MEIO AMBIENTE

Em 2008 os técnicos da secretaria municipal de meio ambiente de Feira de Santana fizeram alterações do código municipal de meio ambiente que é de 1992, após as eleições municipais do ano passado o MAV soube destas alterações procuramos a secretaria, pois entendíamos que seria necessário que houvesse audiências públicas com a comunidade o que não aconteceu, pois segundo informação do secretario de meio ambiente Sr. Antonio Carlos Colho não precisava, pois o CONDEMA Conselho Municipal de Meio Ambiente, estaria representando a comunidade o que entendemos, inclusive participamos de algumas reuniões do CONDEMA porem achamos que para a alteração do código deveria haver varias audiências públicas o que não aconteceu, realizamos em 09 de novembro de 2008 o 1º encontro ambiental de Feira de Santana onde convidamos o Senhor Secretario de meio ambiente municipal o mesmo indicou o então diretor de meio ambiente Sr. Sergio Aras que não teve condições de nos esclarecer as mudanças que foram feitas pelos técnicos da secretaria. Vale lembrar que segundo informação do secretario o então prefeito José Ronaldo de carvalho, queria que fosse aprovado o código municipal de meio ambiente ainda aquele ano de 2008, o que não aconteceu entendemos que para o bem do meio ambiente, este ano o atual prefeito encaminhou o código para a câmara de vereadores na ultima sessão de primeiro semestre o vereador Marialvo Barreto solicitou que fosse retirada da pauta sendo aprovada ficando para o inicio deste semestre, o MAV procurou o presidente da comissão de meio ambiente da câmara de vereadores Ângelo Almeida o mesmo estava viajando falamos com o vereador Marialvo Barreto e Frei Cal para que eles solicitassem uma audiência pública sobre o código de meio ambiente municipal que vai acontecer dia 14/08/2009 as 09h00minh no plenário da câmara de vereadores de Feira de Santana. Participe deste momento importante e contribua para melhores dias ambientais em nossa cidade, você pode dar sua contribuição através do nosso blog.

domingo, 9 de agosto de 2009

Políticas Públicas e Reforma Agrária no Brasil

Os agricultores familiares enfrentam ainda hoje, sérios problemas com relação ao acesso á terra e

outros recursos naturais importantes como, por exemplo, a água. Existem, basicamente, quatro

formas de acesso á terra, a propriedade, a ocupação de terras livres, ou improdutivas, como nas

áreas onde as terras são públicas*os assentamentos mediante a desapropriação de áreas

improdutivas as diversas formas de dependência do grande proprietário, que variam de região

para região. A história da agricultura familiar pode também ajudar a compreender as POLÍTICAS que o poder público utilizou para organizar as relações sociais no campo, de acordo

com os interesses dos diversos grupos e classes em cada período e região. Chamamos de políticas

públicas as leis,decretos e orientações jurídicas que surgem para atender as demandas sociais

dos grupos organizados.Referem-se ás diversas medidas legais estabelecidas pelo poder público

que regulamentam o acesso aos meios de produção na área rural; (Terra, águas, relações de trabalho, programas de incentivo ás atividades produtivas e crédito). O fato marcante na política

agrária no regime da ditadura militar,foi o estatuto da Terra;de um lado,definiu regras para os

contratos de arrendamento e parcerias,como respostas aos movimentos sindical; por outro lado

incentivou o pacote da Revolução Verde que,obrigou muitos agricultores familiares a saírem

do campo.

Fonte: Curso de Desenvolvimento Territorial - UNIPOP.

sábado, 8 de agosto de 2009

O poder do entusiasmo

Entusiasmo é acreditar na nossa capacidade de fazer as coisas acontecerem, de darem certo, de
transformar a natureza e as pessoas. Não espere ter as condições ideais para se entusiasmar.
Nós é que transformarmos a nossa vida numa vida de entusiasmos. Não é a realidade da vida que tem
que nos entusiasmar,nós é que temos que entusiasmar a realidade da nossa vida!
Nós é que temos que entusiasmar nossas ideias...

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Mundo entrará em colapso com aquecimento, dizem cientistas.


Se o planeta não reduzir em até 80% a emissão de gás carbônico na atmosfera até 2020, e não até 2050, como está estabelecido, em breve teremos verdadeiras tragédias nunca antes vistas. Grande parte da população mundial corre o risco de desaparecer. A previsão sombria é da diretora e coordenadora da State of the World Fórum/Brasil 2020, Emília Queiroga Barros. A conferência mundial Brasil 2020 acontece até a próxima sexta-feira em Belo Horizonte. No encontro, mais de 150 cientistas e especialistas de várias nacionalidades, divididos em pequenos grupos, discutem os estragos provocados pelo aquecimento global e tentam traçar metas para a redução imediata dos gases que provocam o efeito-estufa.
"É como se a Terra estivesse com febre. A pessoa quando tem a temperatura aumentada em 0,5º C, ela já começa a não se sentir bem. Assim é o planeta. Já estamos sentindo todos os efeitos desse aumento da temperatura. No Rio de Janeiro, por exemplo, e em outras cidades do litoral brasileiro, há estudos que indicam um aumento de 0,5 cm do nível do mar. Isso já traz transtornos incalculáveis. Já há cidades desaparecendo", explica Emília. A diretora e coordenadora da conferência traça, juntamente com o presidente do Earth Policy Institute, Lester Brown, um futuro, no qual, em pouco tempo a escassez de água e de alimentos tornará a sobrevivência insuportável.Brown explica que se a Terra tiver a temperatura aumentada em 1º C (atualmente está aumentada em quase 0,6º C), haverá uma queda de cerca de 10% na produção de alimentos, principalmente grãos."Os preços de produção dos alimentos vão aumentar muito. Países com grande densidade demográfica sofrerão as conseqüências de forma catastrófica", diz.O diretor do Earth Policy Institute explica que, como num ciclo, a produção de combustíveis também agrava a falta de alimentos no planeta, já que as grandes potências e países em desenvolvimentos 'desviam' os estoques de grãos para a produção de combustíveis, como o etanol.No ano passado, segundo Brown, os Estados Unidos destinaram, por exemplo, 100 milhões de toneladas de grãos para a produção de etanol. - Com isso diminui a oferta de alimentos no mundo e a demanda só aumenta - afirma. O derretimento das grandes camadas de gelo nos polos do planeta e nas grandes cadeias de montanha é apontado por Brown como um dos problemas que deve ser enfrentado imediatamente pelos governos."Devemos reduzir a emissão de CO2 para os níveis entre 350 e 400 partes por milhão de pessoas. Se não anteciparmos estas metas de redução da emissão de poluentes a previsão é de que geleiras glaciares e polares, estes dois últimos com um degelo mais sério, porque são as geleiras que sustentam o fluxo dos rios nos países asiáticos nas estações secas, como o Ganges e o Amarelo. Num curto prazo teremos mais água que o usual, mas em longo prazo os rios serão intermitentes. A China será afetada primeiramente, um país com 2 bilhões de pessoas - afirma Brown, que reafirma o foco da conferência em BH: "Em dez anos, até 2020, o planeta precisa atingir estes limites", adverte.Brown ainda faz uma previsão nada animadora. "Se nada for feito e houver as alterações climáticas que imaginamos, não vamos conseguir antecipar as medidas, e se fôssemos capazes de prever, não conseguiríamos fazer o necessário a tempo. As camadas de gelo na Groelândia têm uma 1 milha de espessura. “Se essas placas derreterem o nível do mar vai subir 7 m, a maioria das cidades litorâneas desaparecerão”, explicou. Com esse fenômeno cada vez mais próximo e certo, a previsão é de que a maior parte da população mundial, que hoje vive em cidades litorâneas, migre para o interior dos países. (Fonte: Portal Terra)

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

INGÀ Instituto de Gestão das Àguas e Clima

O INGÀ,está realizando em todo estado da Bahia,juntos as entidades ambientalistas e a
sociedade civil, o diálogo das Àguas. O primeiro evento foi realizado em Salvador nos dias
30 e 31 de julho p,p. Os próximos eventos estão macados,para os municipios de Porto
Seguro e Piratamutá.fontes de informações do SOS paraguaçú,que realizou eleição da diretoria
executiva.O colégio eleitoral de 30 votantes, o ambientalista Carlos Romero obteve 18 votos
o candidato que ficou em segundo lugar obteve 05 votos; foram 02 abstenção e 50 eleitores
não compareceram para votar. Sendo o Carlos Romero reeleito por mais dois anos a frente do
SOS Paraguaçú. Desejamos um bom desempenho na luta pelas questões ao meio ambiente
e em defesa das bacias hidrográficas,em especial a do paraguaçú; e o Bioma Caatinga.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Acordo global sobre clima é debatido no MMA


O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e o ministro de Energia e Mudanças Climáticas do Reino Unido, Ed. Miliband, debateram, nesta terça-feira (4), em Brasília, as negociações para que seja possível chegar a um novo acordo para o clima na próxima Conferência das Partes sobre o Clima (COP-15), em dezembro, em Copenhague (Dinamarca), prazo final para um novo acordo global sobre o clima. O Plano Nacional sobre Mudança do Clima, em que o Brasil assume metas expressivas de redução do desmatamento em 70% até 2017, foi apresentado ao ministro britânico. Significa que o país deixará de emitir mais de 4,7 bilhões de CO2, mais que o total previsto pelo Protocolo de Kyoto. Minc ainda explicou a Miliband que essa não é à única meta do plano. O Brasil terá o incremento da participação do etanol em 10% ao ano na matriz de combustível, o que evitará a emissão de 500 milhões de toneladas de CO2 em dez anos. Miliband ressaltou que este é o momento para o mundo fechar um acordo global equilibrado para o clima, com a definição de compromissos para todas as partes. Minc completou falando que é preciso ter obrigações diferentes para os países desenvolvidos e em desenvolvimento, levando em consideração todo o histórico de emissões dos países. (Fonte: Carlos Américo/ MMA

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Feira Realizou a VII Conferéncia de Assistencia Social

Nessa terça feira 04 encerrou a VII conferencia de Assistência Social,iniciada no dia 03.
A Participação e Controle Social no sistema Único de assistência Social (SUAS),foi discutido
durante dois dias "A participação da comunidade no controle social.As pré conferencias foi
realizadas nos bairros onde já estão instalado as unidades dos CRAS,centro de referência de
assistência social,são George Américo;Rua Nova;Aviário e Lagoa Grande,o qual representamos
como delegado.Os quatros painéis de discussões das questões de assistência social com outros
usuários e trabalhadores dos centros de referéncia,O painel 1 Processo histórico da participação
popular no pais,e o significado do controle social. 2 Os usuários e seu lugar politico no (SUAS)
em relação ao protagonismo dos usuários. 3 A democratização da gestão do (SUAS) e entidades
de assistência social e o vinculo SUAS. 4 A base para garantia do financiamento da assistência
social.Os delegados eleitos na VII conferência irão participar da conferencia estadual em Salvador.
O aperfeiçoamento das ações do sistema único de assistência Social-SUAS-desde o território
onde se encontra instalados e funcionando em feira. George Américo-Rua Nova-Aviário-Lagoa
Grande,atendendo as comunidades do Parque Getúlio Vargas e Estação Nova.

GRIPE SUÍNA
PERGUNTAS E RESPOSTAS

1.-Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa?
Até 10 horas.
2. - Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos?
Torna o vírus inativo e o mata.
3.-Qual é a forma de contágio mais eficiente deste vírus?
A via aérea não é a mais efetiva para a transmissão do vírus, o fator mais importante para que se instale o vírus é a umidade, (mucosa do nariz, boca e olhos) o vírus não voa e não alcança mais de um metro de distancia.
4.-É fácil contagiar-se em aviões?
Não, é um meio pouco propício para ser contagiado.
5.-Como posso evitar contagiar-me?
Não passar as mãos no rosto, olhos, nariz e boca. Não estar com gente doente. Lavar as mãos mais de 10 vezes por dia.
6.-Qual é o período de incubação do vírus?
Em média de 5 a 7 dias e os sintomas aparecem quase imediatamente.
7.-Quando se deve começar a tomar o remédio?
Dentro das 72 horas os prognósticos são muito bons, a melhora é de 100%
8.-De que forma o vírus entra no corpo?
Por contato ao dar a mão ou beijar-se no rosto e pelo nariz, boca e olhos.
9.-O vírus é mortal?
Não, o que ocasiona a morte é a complicação da doença causada pelo vírus, que é a pneumonia.
10.-Que riscos têm os familiares de pessoas que faleceram?
Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão.
11.-A água de tanques ou caixas de água transmite o vírus?
Não porque contém químico e está clorada
12.-O que faz o vírus quando provoca a morte?
Uma série de reações como deficiência respiratória, a pneumonia severa é o que ocasiona a morte.
13.-Quando se inicia o contagio, antes dos sintomas ou até que se apresentem?
Desde que se tem o vírus, antes dos sintomas.
14.-Qual é a probabilidade de recair com a mesma doença?
De 0%, porque fica-se imune ao vírus suíno.
15.-Onde encontra-se o vírus no ambiente?
Quando uma pessoa portadora espirra ou tosse, o vírus pode ficar nas superfícies lisas como maçanetas, dinheiro, papel, documentos, sempre que houver umidade. Já que não será esterilizado o ambiente se recomenda extremar a higiene das mãos.
16.-O vírus ataca mais às pessoas asmáticas?
Sim, são pacientes mais suscetíveis, mas ao tratar-se de um novo germe todos somos igualmente suscetíveis.
17.-Qual é a população que está atacando este vírus?
De 20 a 50 anos de idade.
18.-É útil a máscara para cobrir a boca?
Existem alguns de maior qualidade que outros, mas se você não está doente é pior, porque os vírus pelo seu tamanho o atravessam como se este não existisse e ao usar a máscara, cria-se na zona entre o nariz e a boca um micro clima úmido próprio ao desenvolvimento viral: mas se você já está infectado use-o para não infectar aos demais, apesar de que é relativamente eficaz.
19.-Posso fazer exercício ao ar livre?
Sim, o vírus não anda no ar nem tem asas.
20.-Serve para algo tomar Vitamina C?
Não serve para nada para prevenir o contagio deste vírus, mas ajuda a resistir seu ataque.
21.-Quem está a salvo desta doença ou quem é menos suscetível?
A salvo não esta ninguém, o que ajuda é a higiene dentro de lar, escritórios, utensílios e não ir a lugares públicos.
22.-O vírus se move?
Não, o vírus não tem nem patas nem asas, a pessoa é quem o coloca dentro do organismo.
23.-Os mascotes contagiam o vírus?
Este vírus não, provavelmente contagiem outro tipo de vírus.
24.-Se vou ao velório de alguém que morreu desse vírus posso me contagiar?
Não.
25.-Qual é o risco das mulheres grávidas com este vírus?
As mulheres grávidas têm o mesmo risco mas por dois, podem tomar os antivirais mas em caso de contagio e com estrito controle médico.
26.-O feto pode ter lesões se uma mulher grávida se contagia com este vírus?
Não sabemos que estragos possam fazer no processo, já que é um vírus novo.
27.-Posso tomar acido acetilsalicílico (aspirina)?
Não é recomendável, pode ocasionar outras doenças, a menos que você tenha prescrição por problemas coronários, nesse caso siga tomado.
28.-Serve para algo tomar antivirales antes dos sintomas?
Não serve para nada.
29.-As pessoas com AIDS, diabetes, câncer, etc., podem ter maiores complicações que uma pessoa sadia se contagiam com o vírus?
SIM.
30.-Uma gripe convencional forte pode se converter em influenza?
NAO.
31.-O que mata o vírus?
O sol, mais de cinco dias no meio ambiente, o sabão, os antivirais, álcool em gel.
32.-O que fazem nos hospitais para evitar contágios a outros doentes que não têm o vírus?
O isolamento.
33.-O álcool em gel é efetivo?
SIM, muito efetivo.
34.-E estou vacinado contra a influenza estacional sou inócuo a este vírus?
Não serve para nada, ainda não existe vacina para este vírus.
35.-Este vírus está sob controle?
Não totalmente, mas estão tomando medidas agressivas de contenção.
36.-O que significa passar de alerta quatro a alerta cinco?
A fase quatro não faz as coisas diferentes da fase cinco, significa que o vírus se propagou de Pessoa a Pessoa em mais de dois países; e fase seis é que se propagou em mais de três países.
37.-Aquele que se infectou deste vírus e se curou, fica imune?
SIM.
38.-As crianças com tosse e gripe têm influenza?
É pouco provável, pois as crianças são pouco afetadas.
39.-Medidas que as pessoas que trabalham devam tomar?
Lavar-se as mãos muitas vezes ao dia.
40.-Posso me contagiar ao ar livre?
Se há pessoas infectadas e que tossem e/ou espirre perto pode acontecer, mas a via aérea é um meio de pouco contágio.
41.-Pode-se comer carne de porco?
SIM pode e não há nenhum risco de contágio.
42.-Qual é o fator determinante para saber que o vírus já está controlado?
Ainda que se controle a epidemia agora, no inverno boreal (hemisfério norte) pode voltar e ainda não haverá uma vacina.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Rio Subaé em Santo Amaro parece um esgoto

Mesmo com o apelo de Caetano Veloso presente na melodia Purificar o Subaé e dos longos anos de protestos a favor da revitalização do Rio Subaé feitos por ambientalistas como frei José Monteiro, nenhum resultado prático pode ser visto para quem sai de Feira para Santo Amaro da Purificação. A grande quantidade de taboas (planta aquática) que encobre toda a nascente do Rio Subaé, em Feira de Santana, denuncia o alto grau de poluição. Na passagem dele por Santo Amaro, a sujeira é tamanha que mais se assemelha a um esgoto a céu aberto (foto). (Orisa Gomes)

Fonte: Jânio Rego

Encontros pelas Águas começam em agosto

Reuniões entre Governo do Estado e comunidades tradicionais fortalecem a gestão participativa das águas no Estado da BahiaEntre os dias 24 de agosto e 28 de novembro, representantes de comunidades de terreiro, de quilombolas, de marisqueiras e pescadores, de povos indígenas, de fundo de pasto, de gerazeiros e das mulheres participam de sete encontros para dialogar com o Governo da Bahia sobre os problemas relacionados às águas do local onde moram e sobre as diretrizes das políticas públicas da gestão das águas. As reuniões, promovidas pelo Instituto de Gestão das Águas e Clima (INGÁ), autarquia da Secretaria do Meio Ambiente, farão parte do II Encontros pelas Águas, que foi instituído pelo governador Jaques Wagner no dia 05 de junho, durante o seminário Nordeste: Água, Desenvolvimento e Sustentabilidade.
Um dos principais objetivos dos encontros é fortalecer a gestão participativa das águas no Estado da Bahia, com a inserção dos povos e comunidades tradicionais, garantindo a diversidade étnica, racial e cultural para a justiça sócio-ambiental. Como resultado das articulações, será elaboração a II Carta Pelas Águas, ao final de toda jornada pelo interior baiano. O documento, que será entregue ao Governo Estadual na III Conferência estadual de Meio Ambiente de 2110, relatará os principais problemas enfrentado pelas comunidades em relação às águas e ao meio ambiente e apontá diretrizes para a política de gestão das águasA primeira edição dos Encontros pelas Águas foi promovida pelo INGÁ no segundo semestre de 2007, quando cerca de três mil pessoas participaram de nove encontros pelo interior do Estado. Os resultados foram formatados na Carta Pelas Águas, entregue ao governador Jaques Wagner em junho do ano passado. O documento se transformou em uma publicação, editada e lançada pelo INGÁ e2008. “Os Encontros pelas Águas proporcionam uma aproximação dos diversos segmentos sociais com os órgãos e autarquias do Estado, possibilitando um canal de diálogo permanente, construindo assim políticas públicas que atendam as necessidades e as expectativas da sociedade em relação à água”, explica o assessor do INGÁ para Povos e Comunidades Tradicionais, Diosmar Santana Filho.
Cachoeira sedia primeiro encontro
A cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, a 116 quilômetros, será sede da primeira reunião do Encontro pelas Águas 2009. Será no dia 24 de agosto, com as comunidades de Terreiros. Em seguida os gerazeiros se encontram em Santa Maria da Vitória, em 12 de setembro, e, no dia 24 do mesmo mês, os marisqueiras e pescadores se reúnem no município de Prado, no Extremo Sul. Em outubro acontecem duas reuniões. Os representantes de fundo de pasto e os quilombolas participam dos encontros dos dias 17 e 31, respectivamente, em Itiúba e Carinhanha, cada grupo. A segunda versão dos Encontros Pelas Águas será encerrada em Novembro. No dia 14 acontece o encontro das mulheres, no município de Rio de Contas, e no dia 28 os povos indígenas celebram o encerramento dos eventos, em Santa Cruz de Cabrália.
Parceria com a UNFPA vai fortalecer ações dos Encontros
O INGÁ desenvolve, em parceria com o Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA), ações com o objetivo de promover a eqüidade de raça, etnia e gênero. A iniciativa pretende garantir o direito à gestão de recursos hídricos e a transversalidade com as demais políticas públicas no Estado. A parceria envolve programas como o Encontro pelas Águas, para garantir o processo de inclusão dos povos e comunidades tradicionais na Gestão Participativa das Águas no Estado da Bahia.
O INGÁ e o UNFPA serão parceiros na produção de ações e publicações relacionadas aos direitos humanos, com a perspectiva de inclusão das comunidades tradicionais. A união institucional aposta no fortalecimento das ações voltadas para o desenvolvimento das populações e a garantia dos direitos na gestão das águas. A representante do UNFPA no Brasil, Alanna Armitage, ressalta a importância da água para as atividades humanas. “A água é o princípio de todas as coisas, das pessoas e de seus projetos de vida. Permeia todas as relações humanas, dando sentido a nossa existência. Ao fortalecer a gestão participativa e inclusiva das águas, o INGÁ reitera o compromisso com a promoção do direito à igualdade na diversidade e dos direitos das gerações futuras”, afirmou Armitage.

Abertas inscrições para renovação dos Comitês das Bacias
Recôncavo Norte e Inhambupe, Verde e Jacaré e Paraguaçu.

Fonte: INGÁ

sábado, 1 de agosto de 2009

Preserve o Meio Ambiente, a Natureza agradece...

Cuidar do Meio Ambiente, é uma tarefa muito difícil. A maioria da população, das médias, e
grandes cidades, preocupam com o meu ambiente. O consumismo de produtos industrializados
cada vez mais sofisticados, atrai os consumidores a consumir, sem se preocuparem com o que
eles representam pelas suas origens sintéticas; mesmo satisfazendo o individual de cada um
agridem com violência o Meio Ambiente. Outros na minoria, lutam para que as cidades e os
campos tenham as suas reservas naturais,lagoas,nascentes,mata atlânticas,mata ciliares,que
o lixo tenha coleta seletiva, que a população tenha esgoto sanitário, que desperdice menos a
nossa preciosa água.

A prefeitura de Feira de Santana, através da secretaria do Meio Ambiente
já enviou para a câmara de vereadores, o projeto de Lei complementar 1.612/92 Código do
meio ambiente, que deve entrar em votação, tão logo seja reiniciado os trabalhos legislativos
da câmara de vereadores, o que é preciso é a participação da comunidade lá no bairro, onde
você mora, é você que faz parte do maio ambiente, não deixe que os outros decidam sem a sua
opinião, porque um código do meio ambiente,sendo bem elaborado com diretrizes concretas
amparadas pela Lei Orgânica do município-Constituição Estadual e Federal que garantirá um
futuro feliz e saudável para todos, e que a geração atual possa participar emitindo suas opiniões, e participem das discussões fiscalizando para que tenhamos um Código do meio ambiente para todos os nossos conterrâneos com excelentes qualidades de vidas futura.